Seres Imaginários…

O caminho parecia ser um tanto perigoso quanto atravessar uma ponte feita de uma árvore manhosa sobre um rio lá ao longe… a belíssima mãe natureza que guarda segredos infindáveis sobre seres que existem em nossos mais ricos sonhos, seriam verdades incrustradas dentro de nossos peitos, sentimentos que ainda não conseguimos entender e traduzir, e por isso; choramos…

Ratos roubam gelo dissimulados por uma garrafa de uísque que sei lá por que cargas d’águas deram um valor surreal para ela, e hoje as pessoas tomam se achando melhores que outras, por esse valor aí, que nada realmente vale…

Então percorreu esse caminho que era como uma viela espremida entre edifícios com arquitetura barroca, cores vivas e abauladas, e ao chegar no final encontrou-se com um lago de águas límpidas e curvou seu corpo para deixar seu chifre fazer o serviço, trocando energias desconhecidas e até então, desentendidas também…

Existem muitos planetas, iremos acabar com todos… quão é absurda essa ideia primaria de conquista, que hoje envia de nossos DNAs, para geração futuras informações imprecisas sobre uma convivência pacifica e expressa…

Saiu do seu mundo, mergulhou em uma gelatina de cérebros, sentiu as vistas sob as cortinas, mantos e névoas que fingiam proteger quem fingia estar escondido… olhares soturnos e seu medo de estar pensando sem parar, sem nenhum controle, para cortar a dor, um sentimento de buraco inerente a qualquer outra razão que possa ser… a pergunta que não cala, o que é viver?!

Combinações…

Eu sou estudante, ainda não sei o que serei, mas estudo engenharia…

Eu tenho 56 anos, sou guerreira! Trabalhei de tudo o que possa imaginar…

Eu faço academia e estudo inglês online… não eu não trabalho…

Eu sou veterinária e gosto muito de bolo de morango…

Eu sou jovem ainda, quero explorar tudo, conhecer o mundo, sem compromisso…

Eu sou um advogado de sucesso, quero apenas o melhor pro povo…

Eu vim do nordeste para trabalhar aqui em São Paulo, gosto de ser pintor, mas acho que não vou ficar rico não (risadas)…

Eu tenho 35 anos e compartilho minha vida com as flores, amo a natureza…

Eu sou um empreendedor, tenho 25 anos e só quero ganhar dinheiro…

Eu sou uma estudante de design e quero trabalhar na televisão…

Eu sou morador daqui de São Tomé, gosto demais daqui, tem mais de vinte anos que moro aqui…

Eu sei que aconteceu quando eu era criança, mas matei um passarinho quando eu tinha 5 anos… e chorei até!

Eu faço isso pelas minhas filhas, quero dar educação para cada uma delas… não tenho vergonha de ser o que sou!

Eu tenho 47 anos e já mudei de profissão diversas vezes, hoje sou escritor…

Em Algum Lugar Em Outro Dia…

Dúvida?!

Despedidas…

E enquanto tudo parecia ruir ao seu lado, desmoronando um descontrole de sentimentos confusos e aleatórios… ele abaixava seu corpo e recolhia os pedaços gentilmente, passo a passo com pesadas lagrimas nos olhos…

Queria gritar bem alto, surrar o vento e correr furioso pela vida…

De forma orgânica encaixou a raiva com o não entendimento, o acolhimento da ternura, tudo flutua… ele sabia as regras e detestava jogar aquele jogo pois sempre alguém sairia machucado…

Pedalou por estradas

Ele mergulhou em mares gelados

E deixou seu corpo secar ao sol e ao vento…

Agora as lágrimas eram de alegria… vidas vão e vem… escolhemos e somos escolhas de outros…

Envelhecer é muito diferente do que as pessoas contam… e agora ele sabe distinguir os tons de azul mais suaves para pintar…

Todos os dias…

Como? Ficou pensando e pensando sobre aquele assunto e deu muitas risadas na sessão de terapia tentando confirmar para si mesmo que não estava ficando louco…

subiu as escadas correndo e ao chegar ao andar de cima olhou para todas as direções e continuou correndo… e para cima… e rápido… e subindo… desviava de algumas coisas que não tinham definição ou formato…

sentia uma vazio imenso dentro da cabeça, portanto… por que estava tudo uma grande bagunça… sim, não, quer dizer, não era uma pergunta, é um sentimento… sabe daqueles que te deixam perdido, porém, existe alegria…

encontrou pessoas que questionavam o caminho, não o seu, senão aquele que fala sobre um tal sentido, ou dar sentido pra vida… pro viver… dia a dia… nesse calendário bizarro e cego…

aquela cachorrinha estava velhinha e arranhava o soalho da casa incansavelmente… os galhos da sua árvore estão balançando sendo alisados pelo vento… e um pequeno chafariz jorrava arco-íris sem parar… a cachorrinha latiu…

alguém respondeu lá do outro lado da linha… que as linhas imaginárias separavam os seres humanos, que separavam-se por dentro seus sentimentos… hora de acordar, o alarme o lembrou…

sem chances, pulou da cama gargalhando e foi viver mais um dia sem entender lhufas do que estava acontecendo…

Agradeceu!

Encontrava-se às margens de um enorme paredão de pedras… tão grandes e sem nenhuma saliência aparente, que o fazia pensar sobre como alguém poderia escalar um lugar como aquele…

Algumas formas vendes e marrons de uma vegetação espaçada lembrava-lhe árvores, contudo o desenho aparecia como uma máscara e as formas que surgiam movimentavam-se como pássaros e peixes…

Tudo era tão amplo em sua visão e poder contemplar tudo aquilo ao vivo era espetacular demais… quantas informações podemos captar da natureza se estivermos abertos a ela… e era pra ser uma pergunta, no entanto ele precisou olhar mais e mais e mais… muitas e muitas sensações e a permissão deixava raios de sol atravessarem nuvens, matas verdes, refletia nas pedras e acendia amor dentro dos olhos, onde tudo brilhava de uma maneira intensa e continua…

Pensamentos voavam aleatórios e ele viu maldade nos olhos das pessoas… e viu outros sentimentos também… viu algo bom, apertou os olhos, piscou várias vezes e depois, fechou-os devagar… parecia uma flor vermelha sozinha no meio de tanto verde…

Olhou para baixo de novo, não sabia medir aquela altura… e dentro de sua grandeza interior, conseguiu se colocar singular e pequeno o suficiente para entender sua passagem pela terra… e sorriu um largo e demorado abraço…

Conectados…

De onde vocês estão me assistindo? Eram bilhões de canais de redes sociais, que o publico acompanhava muito mais do que naquele velho aparelho de tv…

Cachorros deitados, cachorros em pé, vocês procuram por comida aonde? E as redes sociais entopem seus armários e a velha geladeira da cozinha com azulejos velhos também… E com aquele montão de desperdício…

De comunicação extraviada, parecendo um gigantesco “telefone sem fio”… Vocês lêem A, o autor escreveu nas entrelinhas e quem não pegou entendeu Z… E adivinha quem contribui um tantão com isso tudo, cacofonia intermitente… Ele desligou de sua rede social e sentou-se aconchegante em um sofá qualquer…

Não quero assistir mais ninguém por hoje… E amanhã me ligo para que vocês me assistam também… Os frangos continuam girando em suas televisões, e os cachorros continuam babando…

Eu sou a alegria de viver Arte!

Uns gostam da crítica e a acham positiva…

Tem gente que não gosta e a acha negativa…

Tem gente que acha normal criticar tudo o que está do lado…

E tem outros que se sentem tão mal criticados…

Agora uma coisa que não entendo, eu aqui produzindo no meu cantim“…

E se você não produz nada, por que vai me criticar com esse “dedim“?

Dizem que é por que estou tentando algo novo ou interessante…

Mas mais interessante que cada um cuidasse da sua vida…

E produzissem seus sonhos viajantes!

Qual a Sua Música… ?!

É uma beleza o que está acontecendo, maravilha, levante seu corpo, não vá esmorecendo… esconda os trens ruins que não conseguimos entender e muito menos controlar, já passou da hora, vamos seguir pra cima, vamos nos esbaldar!

Em um ritmo frenético, essa cidade que não para, estamos sempre a procurar um lugar que te sara… certo de que é outro lugar que eu quero, e fazer umas visitas momentâneas, são Paulo é uma cidade que venero…

Ações subliminares não pega para quem tem experiência, é a gente que limita nossa razão à paciência… Esperar é um processo duro, porém é em um susto, vai sair do escuro!

Não finja que não se mostrou, por que eu nessa vida, vi, vivi e sei do que sou capaz, está longe de me conhecer, tenho muita história para contar, segue essa ideia meu bom rapaz…

Segue o som tá levinho, tá gostosinho, tá pra estrada e pra balada, na pista vamos ganhar… Na pista vamos ganhar… 😉