Consciência Presente…

não entendia muito sobre a modéstia, apesar de acreditar piamente que era um sujeito humilde… e parece que haviam grandes diferenças nessas características… porém sabia de seu talento, sabia em que era bom e gostava de aprender mais e mais para superar-se, para se encantar, e então sabia, que isso encantaria o público também…

pensou sobre isso por que estava sentindo-se livre demais, e com uma consciência grande desse instante, lúcido, focado, conectado… vivia o agora, sobre o que estava fazendo, e buscava a tranquilidade para entender sons, vistas, cheiros… respirar é tão bom, tão bom sentir o cheiro da natureza… e ter a oportunidade de escrever sobre isso tudo…

a voz lá dentro o trouxe de volta, “ei, focado, aqui, agora, vai… sente… vive”… essa percepção independia de qualquer uso de drogas, de qualquer tipo… era só em sua própria mente, junto com seus “eus”, todos eles, todas elas, para produzir aquilo que estava existindo em si e a sua volta…

as viagens estavam mais fortes, mais significativas, mais intensas… as opiniões também; cresciam, superavam, elevavam-se a outros patamares de consciência onde precisava apenas ouvir e concordar, sobre a história alheia, e já sobre si, apenas sentindo as conexões que seus sentidos lhe traziam…

faria um conto sobre isso, muito difícil de descrever por sinal, afinal, era somente um, em uma sabedoria limitada e uma curiosidade aguçada… em uma ignorância prodigiosa e uma vontade indeterminada… por que viver no agora, é viver num momento tão instantâneo que quando pode perceber, se está sem conexão… foi…

Para Ligar a Mente; Café!

enquanto tomava o café da manhã, surgiram as memórias aleatórias dos movimentos vividos pela sua passagem terrena… ele saboreou a bebida e percebeu essas imagens que mostravam situações simples, como o próprio ato de tomar café em “família”, e ao longo dos anos como aquele ritual foi mudando e mudando…

primeiro com a mãe e o pai e as irmãs, que parecia em algum momento que era uma festa… e depois somente com a mãe, ponderações, amadurecimento… um dia ou outro era com uma das suas irmãs, e com o tempo, elas não eram mais parte do seu ritual… de repente também surgiram os amigos… tomava café com as pessoas amigas… papos constantes e focos diversos, o trabalho guiava o hábito… e depois, com desconhecidos em bares e padarias por aí, cafés fortes para segurar a ressaca das paixões largadas… as lembranças passavam suaves, sem causar nenhum sentimento complexo de lidar… eram simples…

cafés… simples cafés tomados em mesas diferentes, mesas de madeira, mesas de metal, mesas com tampos de vidro… cafés com todo tipo de gente, às vezes com um bom dia, às vezes tão quieto que era como se ele nem existisse… essas reminiscências vinham em forma de imagens coloridas, outras vezes em preto e branco… e outras vinham enevoadas como as fumacinhas que saíam dançando de sua xícara… o café quentinho…

recordações de dias corridos, sem preocupações efetivas, um gole aqui e outro ali, pensando sobre como seria se tivesse agido diferente, como seriam se aqueles cafés tivessem tido outras conversas, outros sentidos… e no fim das contas, não era nada demais pois sabia que haveriam futuros, com pessoas amigas, com pessoas estranhas, com um jeito diferente de tomar o seu café…

aberto para ver e aprender… saboreou café com gelo, café com chocolate em pó, café puro sem açúcar, café com leite e até o tal do “cháfé”… levou a xícara à boca para o último gole daquele, e sentindo o cheirinho delicioso ele sorriu… sempre esperava o momento para mais um cafezinho durante seus dias…

VIVER!

a vida vai acabar… essa limitação de experiência… essa limitação de ações… essa limitação de vivências e conhecimentos… essas modinhas… essas pseudorealidades… esses exoterismos… essas ideias de reencarnação… essas ideias de psicografias… essas ideias de conforto… essas ideias de confortar o conforto por não entender.. essas ideias de conforto por não aceitar ser só uma vez…

pelo simples fato de não aceitarmos um fim… um fim definitivo e não há…

ninguém voltou para falar que existe o “Além”… e não existe… desculpe… fim!

Tatuando pela vida…

quem sente dor, sente e pronto… quem não sente ou se controla melhor, que bom né! o rabisco é sempre no intuito de deixar bonito, ou elevar a autoestima… mesmo que uma pessoa escolha um desenho feio, e às vezes como em tudo na moda, o cíclico trás essas ideias que quebram barreiras de conceitos entre o que é o belo e o feio para a gente…

colocar na pele um estilo tosco, conhecido como “trashtattoo” também demonstra como uma pessoa escolhe seu próprio jeito de ser, e o que essa pessoa quer transmitir com aquela sua pintura corporal…

particularmente eu prefiro ilustrações, como as que podemos fazer com pinturas em telas e paredes, muros e quadros… são preferencias, não há certo ou errado nesses tipos de escolhas, afinal, gosto é gosto e cada um tem o seu… eu amo aquarela, adoro linhas finas e aquele traço lisinho… também fico fissurado pelo pontilhismo e os efeitos mágicos que essa técnica proporciona… tudo isso com uma ideia criativa, podendo ou não ser abstrata…

no fim, mesmo superando minhas dores, e pensando um milhão de vezes antes de colocar minha pele para jogo, já perdi a conta, afinal uma interagiu com a outra, ganhou outros ares, tamanhos e formas que se misturam, se completam, se complementam e se chocam… eu amo a arte em geral, e amo esse tipo de arte da mesma forma…

É o Tanto que Precisa Ser para Aprender…

e dessa vez ele tomou um nó… estava deitado em uma cama qualquer, era confortável e quentinha, porém isso realmente não era o que importava… ao aconchegar a cabeça no travesseiro e sentir prazer, um sorriso lindo e largo lhe veio a memória… apareceu tão nítido que ele pode ouvir a voz e ver seus movimentos languidos e delirantes… o rosto que completava aquela cabeça delicada, um queixo fino e pequeno, e aquele cabelo cheio, forte, escuro, com uma franja preta caída sobre a testa… e os olhos profundos que de tão negros pareciam duas ônix…

aquela imagem esfriou sua barriga, ele também sorriu, deixou-se levar pelas histórias passadas onde um relacionamento simples e direto, se tornaria algo muito confuso e terminaria daquele jeito que a gente não gosta… cada um para o seu lado… sem nenhum motivo aparente…

mesmo sabendo que estamos lutando contra nossos sentimentos, aqueles que desgovernam nossas mentes e fazem os órgãos internos pularem em festa… mesmo sabendo que haveriam de ser os desejos carnais, as volúpias nos olhares, a projeção da luz do Sol nas paredes de concreto liquefazendo essências…

ela não quis… a fala foi clara e objetiva, e ele pediu para lhe contar sobre o seu sentimento… “só gostaria que soubesse que gostei muito de você”, a memória é linda, pois te coloca em um lugar plácido… a medida que o Tempo deu a mão para as células nervosas, todas as conexões que transformam as insinuações sentidas em névoas dançantes para o além do Nada, sumiram… precisava pensar, para tentar lembrar e criar aquela imagem…

sorriu de novo, pois sabia que havia se “curado”… seja em qualquer momento de sua vida, e se entender essa presença explícita, sim, tem mais um montão de coisas boas para fazermos, e até aqui… tá massa né! =D

Intimidade!

é para arrancar a pele da carne, arrancar a carne dos ossos, arrancar os ossos dos nervos… é para desmembrar tudo, para explodir todas as células… é para se desnudar por inteiro, tirar todas as mágoas, todos os preconceitos, todos os conceitos… é para explodir todas as amarguras, rasgar todo seu ser e mostrar o seu íntimo, o mais interior possível, o mais intenso possível…

e depois disso tudo você poderá dizer… vivo e vivi e viverei… e a troca será tão profunda quanto o mais profundo dos oceanos… e será… AMOR!

Feliz Aniversário…

Estava há um dia de completar mais uma parte da estrada… escolhas foram feitas para chegar nesse momento olhando a caminhada até agora… e ele gostava muito do que via…

Muitos anos haviam sido completados, muitas experiências haviam sido vividas, e quando se chega a um espaço que se imagina que é um pouco mais da metade daquilo que poderá viver… e ele aprendeu e desaprendeu com os passos…

Causas e consequências de uma triagem feita de forma aleatória pela vida, afinal não há manual, não há ensinamentos que mostrem a ele as “serelepices” que a presença exibia… e ele tentava praticar seu momento no “agora”…

Muitos contam sorrisos largos e choros ardentes, desenlaces de nós e elos de amor, cíclicos os desejos e ocasionais as realizações… ele sentiu um alívio tremendo, o resultado indo para a estrada final estava sendo bem positivo… e ele agradeceu muito por isso…

Em Toda Beleza…

Em um outro tempo e momento, sentido e razão de um entendimento de existência, primeiro houve o som, e era um diálogo mais ou menos assim…

cara! tudo bem que você criou essa coisa toda que está por aí tomando conta de nossas visões, e a galera tá de boa com isso… e beleza, você é uma puta artista, sabemos disso, fodona mesmo, e sabíamos que iria criar algo incrível! tudo bem que o nome é estranho, “Universos” né… por que precisava criar mais de um, que se interagissem entre si, enfim…

De qualquer forma amiga, as cores estão incríveis também, esses sons todos que podemos ouvir brilhantemente… e os pulsares de energia, uau que coisa magnífica de se ver acontecendo hein… você estava muito inspirada mesmo!

Mas miga, posso te falar uma coisa numa boa… assim, não quero te chatear não, e a criação é sua, tá lindona e tudo mais, eu tô gostando bastante, juro! mas…

precisava criar aquelas criaturinhas que ficam para lá e para cá fedendo aquele pobre planetinha azulado?

“Queimando Memórias…”

Ele e ela pegaram caminhos contrários outra vez… em vários momentos distintos de sua vida, ele percebeu esse movimento de relacionamentos e trocas, enquanto não mais imaginava o que se passava na cabeça dela, com ela, seja quem ela for e onde estiver… ele está seguindo… ou crê que está tentando!

Lembrou-se de uma situação em particular, onde promessas rolaram quando seus olhos se cruzaram e seus lábios se umideceram juntos pela última vez…

As lembranças vão se tornando mais espaçadas… os sentimentos confusos vão dando lugar às saudades daqueles íntimos encontros… que eram ao longo de toda essa jornada, pílulas de instantes vividos e corridos, sorrisos, altos papos e discussões, deflagrando um desejo sexual ardente em discordâncias com as vidas…

Cada um que tenha a sua, eles e elas só irão ficar juntos se entenderem esses indivíduos separadamente, como seres próprios de suas qualidades e defeitos, que comportam suas características particulares, e algumas delas são tão pessoais, que nunca as conheceremos por inteiro, como um todo, como muitas vezes acreditamos que deveria ser… o que?

As situações são sem controle, eles e elas acreditam de forma ardente que podem comandar seus desejos, domar seus sentimentos e compartilhar as estradas… porém, olha para as placas antes… observe os avisos, deixe suas lembranças boas dominarem quando uma ruim surgir…

Queime-a… e siga! 🙏

%d blogueiros gostam disto: