“Continuando…”

bem e lá ia ele para o banho de mar ter seus devaneios alucinantes sobre o viver e os acontecimentos entre o nascimento e a morte… vamos chamar ele hoje de José… tudo bem pra vocês? José é um bom nome? Irão criar empatia com ele? risadas… e mais risadas…

_ Não! Para cara, você já está delirando! Hahahaha… ela falava entre as risadas dele…

_ Tem tudo haver né?! Devaneios, delírios, oh, oh… ele fez um gesto com a mão e os dedos como se aquilo demonstrasse a eloquência de sua fala…

_ Não! Esquece essas paradas dos nomes por enquanto… poxa, seus contos surgem tão naturalmente, você se deixa levar pelas ideias e quando vê, na maioria das vezes nem era o que estava pensando e ficou do caralho! Então esses nomes vão surgir quando tiverem de surgir… vamos voltar a nos concentrar na história deles, o que eles estão fazendo, como se conheceram, quem são eles; tipo, vamos responder essas perguntas!

_ oqueiii! Por mim tudo bem!… ele disse dando um mergulho súbito na água… e ao subir…

_ Fiquei esses dias remoendo a ideia toda… ele falava enquanto tirava o excesso de água da barba e tentava enxugar seus olhos…

_ Sim… ela o aguardava ajeitando o cabelo molhado nas costas…

_ O que você faz da vida? E a sua história, é a que você gostaria de estar vivendo?… ele fez as perguntas para ela, e percebeu a face de perplexidade que ela fazia…

_ Não estava esperando por isso… ela respondeu timidamente…

_ Bem, eu te conheço há pouco tempo. Soube que era fã dos meus contos e fiz esse convite, de escrevermos algo juntos, para desbloquear tudo; a vida, os encontros, os medos, os anseios, as vontades, os delírios que temos… ele parou e ficou olhando para os olhos dela… e ela realmente era bonita, deixava ele bobo… _ Você é muito bonita!… ele disse diretamente como uma seta que rasga o ar…

ela riu timidamente… _ Você também!… ela disse esticando o braço e segurando a mão direita dele…

ao se aproximarem, aquele tesão de encontros únicos que sabemos como é, afinal, já estamos em mais da metade do caminho… ou não?!… de qualquer forma, ele dominava bem aquilo, o ritmo como o de uma dança; com sutilezas, leves toques e beijos ardentes… ele não sabia se ela dominava aquilo, mas percebia que ela dominava seu corpo, pois seus gestos eram retos, e sua dinâmica demonstrava o que queria… e ela queria, ali e agora… o sexo mais profundo que as águas do mar podem nos contar…

Autor: pericles

Uma pessoa apaixonada por artes em todos seus âmbitos, um artista, um professor, um escritor entusiasta desenhando com letras! =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: